Web Radio Cidade

Domingo, 14 de Julho de 2024

Policial

Ossada encontrada no RS é de advogada desaparecida há quase dois anos

Os restos mortais da advogada Alessandra foram encontrados por militares quando faziam a limpeza do local, mata densa.

Web Rádio Cidade
Por Web Rádio Cidade
Ossada encontrada no RS é de advogada desaparecida há quase dois anos
IMPRIMIR
Espaço utilizado para comunicação de erro nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Sapucaia do Sul/RS – A Polícia Civil anuncia o encerramento da investigação sobre o desaparecimento da advogada Alessandra Delatorre, em 16 de julho de 2022. Os laudos confirmam, sem sombra de dúvida, que os restos mortais são da advogada desaparecida. Hoje, portanto, com esse fechamento do caso concluímos a busca dos restos mortais para que a família faça suas despedidas”, anunciou o delegado Mario Souza.

“Peço aos colegas de imprensa que respeitem o momento da família, sei que todos vão respeitar, para que a família possa fazer as homenagens”, pediu o delegado Mario Souza.
 
Parabenizo o IGP pela excelência e competência nos laudos, não restam dúvidas”, acrescentou o delegado.
 

Conforme o IGP a identificação foi pelo laudo odontológico. A polícia tinha todos os dados fornecidos pela família.

DESAPARECIMENTO

O que a Polícia está encerrando é a investigação sobre o desaparecimento. E a polícia diz que a ausência de sinais de violência nos restos mortais para seguir a linha da causa da morte. Os restos mortais da advogada Alessandra foram encontrados por militares quando faziam a limpeza do local, mata densa, segundo a Polícia no limite entre São Leopoldo e Sapucaia do Sul, na área militar.

“Não houve falhas nas buscas, é muito complexo. Nos casos de desaparecimento é  muito difícil encontrar alguém que não quer ser encontrado com vida, muito mais difícil sem vida. Nós sabemos  mas vamos seguir preservando a memória dela , da família, não vamos falar. As roupas não estão rasgadas, os restos mortais não estão quebrados, trincados, estão junto ao muro do 18º BIMTz, debaixo de árvores”.

Esqueletização

O corpo já estava em esqueletização, sem tecidos moles. Não há como fazer exames de álcool porque não havia tecido mole. Não há nenhum vestígio de crime no local, diz a polícia.

 

Foto: Juliano Palinha/ "A princípio não há indicativo que tenha acontecido crime, mas seguiremos na investigação", delegada Marina

FONTE/CRÉDITOS: Michel Teixeira
Comentários:
Web Rádio Cidade

Publicado por:

Web Rádio Cidade